icon facebook 2020 top  icon twitter 2020 top icon linkdin 2020 top   icon instagram 2020 top icon youtube 2020 top 

    REGULAMENTO

    Confira as regras para participar do Prêmio Top Educacional

    TOP2023 iconeRegulamento

    MATERIAL DE APOIO

    Faça o download dos arquivos de divulgação do Prêmio

    TOP2023 iconeMaterial

    Projeto Narizes de Plantão é vencedor do Prêmio Top Educacional Professor Mário Palmério

    primeirafotomateriavencedores28062018Reunião da Comissão Julgadora realizada em 26/6/2018

    O diretor presidente da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES), Janguiê Diniz, homologou o resultado da 23ª edição do Prêmio Top Educacional Professor Mario Palmério. Os projetos vencedores foram definidos pela Comissão Julgadora em reunião final realizada na terça-feira, 26 de junho de 2018, na sede da ABMES.

    Presidida por Manuel Marcos Formiga, professor da Universidade de Brasília (UNB), economista e ex-diretor da Capes, a Comissão foi composta ainda por Celso da Costa Frauches, do Instituto Educacional Andragogia; Lina Sandra Barreto Brasil, da Universidade Aberta do SUS (UNA-SUS); Valdemar Ottani, da Âncora Planejamento Estratégico, e Suzete Venturelli, do Instituto de Artes da Universidade de Brasília (UnB). Após sucessivas etapas de reuniões e análises do material recebido, os membros anunciaram a decisão colegiada. 

    O Centro Universitário São Camilo, de São Paulo/SP, foi a instituição que apresentou a proposta vencedora, intitulada Narizes de Plantão. Coordenado por Mauro Fantini Nogueira Martins, o projeto busca inovar e inserir humanização e empatia na educação superior da área da saúde de modo prático, eficiente e divertido. Com base na linguagem do palhaço, a instituição insere uma atividade artística como ferramenta educacional para a formação mais completa de futuros profissionais da saúde.

    Para Lina Barreto, embora a ideia central já seja mundialmente conhecida, a exemplo do Doutores da Alegria, do Patch Adams e do instituto Clown Care, chamou atenção a originalidade na forma de aplicação institucional do Narizes de Plantão, com o uso da arte para ensinar empatia para o profissional da área de saúde. Lina apontou que o projeto apresentou boa problematização da realidade vivida pela instituição e teve impacto tanto na comunidade acadêmica como na comunidade externa, além da possibilidade de ser replicado em outras instituições.

    “Identificaram um problema que era importante para o curso e para a comunidade de maneira geral e usaram isso como base do projeto para mudar essa realidade. Os resultados são impressionantes”, relata Lina. A proposta demonstrou o grande investimento da instituição e números impactantes: mais de 44 mil pessoas visitadas, mais de 200 oficinas de treinamento com 820 horas trabalhadas e 4 mil horas de treinamento. “Humanização não se ensina, a gente vivencia. E o Narizes de Plantão faz muito bem isso usando a arte do circo para transmitir a empatia e essa é a grande inovação dessa metodologia”, conclui.

    segundafotomateriavencedores28062018Reunião da Comissão Julgadora realizada em 17/5/2018

    A Comissão conferiu ainda duas menções honrosas, à Universidade Anhembi Morumbi, de São Paulo/SP, pela proposta Trilhas de empreendedorismo e inovação, e ao Centro Universitário Celso Lisboa, do Rio de Janeiro/RJ, pelo projeto Implosão da educação superior tradicional: o caso da Celso Lisboa.

    Trilhas de empreendedorismo e inovação, coordenado por Luis Alberto Figueiredo de Sousa, consiste em promover encontros ao longo do semestre proporcionando ao estudante ficar frente a frente com profissionais de mercado, que partilham suas experiências em temas que vão desde a descoberta do empreendedorismo como opção de carreira até análises de mercado de trabalho utilizando técnicas específicas. Formiga sinalizou que a Anhembi Morumbi submeteu ao prêmio mais dois projetos que foram merecedores de destaque, também sob coordenação de Luis Souza. As outras duas propostas mencionadas foram o Projeto I9 na escola e Desenvolvimento de trabalhos de âmbito internacional. Ao todo, a Anhembi Morumbi concorreu com seis projetos.  

    “Me surpreendeu descobrir um professor tão criativo, tão inovador, empreendedor. Ele sai de dentro da escola e se preocupa com o mundo real. É o professor do futuro”, comenta Formiga. A proposta que despontou e recebeu menção honrosa parte da área de engenharia, mas a experiência se multiplica por outros departamentos, tornando-se interdisciplinar. “A universidade e o professor certamente merecem menção honrosa pelo conjunto da obra. Ele está à frente de seu tempo”, destaca Formiga.

    Já o projeto Implosão da educação superior tradicional: o caso da Celso Lisboa, coordenado por Rodolfo Bertolini, trata de uma série de pesquisas com seus estudantes e professores cujos resultados mostraram que a forma de ensinar não evoluiu com o passar dos anos. A instituição optou então por implodir o modelo tradicional de ensino e, a partir de 2016, apenas nos cursos de gestão, os estudantes passaram a estudar por competências e não mais por disciplinas, desenvolvendo a solução de problemas reais, com a mediação de dois professores ao mesmo tempo em sala, em uma estrutura física que estimulava a colaboração.

    Valdemar Ottani salientou a coragem e ousadia do Centro Universitário Celso Lisboa em revolucionar toda a estrutura da instituição. Ele elogiou também a forma como o projeto foi apresentado ao prêmio, submetendo um material com muita qualidade gráfica e conteúdo detalhado, demonstrando os resultados alcançados e descrevendo o passo a passo que poderia ser adotado por outras instituições. “É um projeto atual, que objetiva mudar realmente a maneira de agir. O termo que eles utilizam de ‘implodir’ está de fato correto, porque quebram o paradigma educacional vigente e promovem a mudança necessária, como é referido no trabalho”, ressalta.

    terceirafotomateriavencedores28062018 2Comissão Julgadora debate sobre os projetos inscritos

    Celso Frauches, que já participou de outras bancas julgadoras do Top Educacional, confirmou que os projetos selecionados correspondem à importância do prêmio pelo mérito e relevância. “O objetivo do prêmio é alcançado quando percebemos tantas instituições fazendo diferença, inovando e aplicando de fato os projetos apresentados, trazendo resultados que podem ser replicados por outras instituições”, afirma.

    Premiação

    Os projetos serão premiados em cerimônia a ser realizada em Brasília, com previsão para dezembro de 2018. O vencedor recebe R$ 10 mil em dinheiro e as menções honrosas são agraciadas com R$ 2.500 cada. Todos os coordenadores que se inscreveram podem solicitar à ABMES o certificado de participação na 23ª edição do prêmio.

    Saiba mais sobre os vencedores

    Confira o depoimento de Tainá Rodrigues, estudante de Medicina e integrante do projeto